Aluguel de Temporada para Natal e Réveillon Aluguel de Temporada Caldas Novas

Pesquise Preços

Teo Grandi fala sobre sua transição do MTB ao ciclismo

Postado por Sport Time às 2/23/2012 10:23:00 AM
Aluguel de Temporada Caldas Novas
Ciclista fala sobre sua adaptação na Itália e os sonhos para o futuro.

Como se sabe, o começo de temporada marcou o retorno de Otávio Bulgarelli e Gideoni Monteiro para o Brasil. Mas outros nomes nacionais permaneceram em solo europeu. Casos de Rafael Andriato e Carlos Manarelli. Mas um outro nome também figura no país da bota: Teo Grandi.

Teo começou sua relação com o esporte através do MTB

O jovem de 22 anos tem uma história peculiar, que envolve não apenas talento, mas também coragem e determinação. Uma luta, que por vezes pareceu desigual, pelo sonho de ser ciclista profissional e conseguir seu espaço no berço do ciclismo mundial.

Nascido no interior de São Paulo, na cidade de Presidente Prudente, Teo começou sua relação com o esporte através do MTB, foi apresentado ao ciclismo de estrada em 2004 e conquistou resultados relevantes nas categorias de base, onde defendeu as equipes de sua cidade natal, São Caetano e Sorocaba. Desembarcou na elite, mas a desilusão com o ciclismo nacional falou alto. Foi quando Teo Grandi tomou uma decisão que mudaria seu futuro e destino: Ir para a Itália na cara e na coragem.

Em entrevista ao Prologo, ele faz uma avaliação de tudo o que aconteceu ao longo da carreira, faz um comparativo do ciclismo brasileiro e europeu e fala dos sonhos para o futuro.

Prólogo: Como foi essa transição para o ciclismo italiano?
Teo Grandi: Sempre tive apoio dos meus familiares e muitas vezes contei com o suporte do meu pai, o famoso “paitrocínio”.Consegui títulos importantes nas categorias de base. Fui campeão brasileiro e paulista no pré-juvenil. Já na modalidade Junior, conquistei o paulista de resistência, montanha e contrarrelógio. Terminei em 3º no Brasileiro de Estrada e CRI. Ganhei a Nove de Julho, disputei o Pan-Americano no Equador, entre outros. Mas assim que cheguei na Elite, onde defendia as cores da Altolins, fiquei muito frustrado. Percebi que no Brasil, o ciclismo é feito de heróis que não recebem o mínimo de valorização pelo trabalho que fazem. Sem contar os riscos que correm, e cheguei a conclusão de mudar. Fui radical. Decidi arrumar as malas e ir para a Itália. Seria uma resposta para todas as minhas perguntas e que um dia, caso abandonasse, não fosse pelo ato de não tentar.

P : E qual foi a sensação assim que desembarcou na Itália?
T.G: Fui para a Itália com a bicicleta, a mala e a cara de pau. Acredite ou não, mas foi assim. Sem falar a língua, sem conhecer ninguém no meio ciclístico. Arranjei um quarto para alugar e as coisas não demoraram a acontecer. Conheci uma família apaixonada por ciclismo e que me convidou para correr na equipe amadora deles (Piva/Teosport). Havia chegado em fevereiro e ao contrário do Brasil, a vaga em uma equipe diletante já era impossível. Foi um ano de muita dedicação, renuncia e sobretudo perseverança. Foram itens fundamentais para que eu conquistasse as vitórias necessárias e que se interessassem pelas minhas características e me dessem uma oportunidade, o que veio acontecer no ano seguinte com a FWR Bata.

P: O primeiro ano foi marcado por muitas dificuldades?
T.G: Com essa primeira equipe não conquistei nada além de muita experiência. Participei de provas como o Giro Baby e o Giro della Valle d’Aosta, que são consideradas universidades do ciclismo. Além de muitos quilômetros nas pernas. Tive um bom final de temporada e consegui me destacar em provas internacionais. Recebi propostas para outros times, afinal a Bata fecharia suas portas no final da temporada. Após alguns dias de especulações, me envolvi um pouco mais com o Team Brilla – onde competia Gideoni Monteiro. Ele me deu uma grande mão nesse período e fechamos acordo para 2012.

P: Gideoni e Bulgarelli retornaram ao país. Como encarou esse processo?
T.G: Tivemos outros ciclistas com muito mais experiência acumulada que os dois, e que mesmo com algumas tentativas, ao voltarem para o Brasil, não conseguiram colaborar com o crescimento do esporte. Essa questão é relativa e não depende dos atletas, mas deve ser trabalhada junto da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC), São dois grandes atletas e só serão aproveitados se a CBC disponibilizar fundos para isso.

P: Como define sua adaptação na Europa?
T.G: Minha adaptação foi relativamente fácil. Me ensinaram muito o que me reservava uma equipe diletante, sem contar com o fato de que estou numa região onde a educação familiar é muito diferenciada do resto da Itália, onde o individualismo vem do berço e ainda infelizmente do utrapassado racismo, que mesmo não sendo meu caso, era sempre explicito. Aprendi nesses dois anos que o italiano é 8 ou 80, ou ele odeia sua presença invasiva aqui, ou ele admira sua história e sua coragem e te recebe como um filho. É essencial ter jogo de cintura e conhecer os dois lados pra saber valorizá-los.

P: E a questão da estrutura? O que falta para o ciclismo nacional crescer?
T.G: O ciclismo, assim como qualquer esporte, precisa de resultados que atraiam a mídia. Isso é o começo. Quanto ao choque estrutural, sem duvida é imenso. A Europa possui terreno, clima, e outra infinidade de detalhes mais avançados que os nossos para o ganho de performance, deixando esse desafio cada vez mais longe de se tornar realidade. Com isso, a única opção que resta – já que não surpreendemos lá fora – é a de realizar provas que atraiam equipes WorldTour e ProTour, abrindo uma vitrine, assim como fizeram a China e a nossa vizinha Argentina. Está última com uma economia menos evoluída do que a nossa.

P: Qual sua perspectiva para 2012?
T.G: 2012 é um ano decisivo, talvez o mais importante pra mim. Vou descobrir se tenho capacidade de me tornar profissional ou não. Espero me concentrar no limite – dentro e fora das competições – para conseguir atingir uma forma que jamais tive antes e poder ganhar confiança já nas primeiras provas, contando com uma equipe unida ao meu lado pra competir o maior numero de provas possíveis e esperar por bons resultados e claro, contatos para o fim da temporada.

P: Jogos Olímpicos do Rio 2016 é seu maior sonho?
T.G: Se pudesse resumir, é uma convocação que me completaria como atleta e possivelmente na vida. Uma competição que valorizo mais do que as três grande voltas. Espero que meus 26 anos sejam suficientes pra conter a experiência e mérito necessário pra tal desafio, trabalharei passo a passo pra isso.

P: Se pudesse comparar seu estilo ao de algum ciclista, quem seria?
T.G: Meu estilo aqui na Europa foi meio modificado. Sempre acreditei ser um escalador puro, mas vi que o buraco é mais embaixo quando as subidas ultrapassam os 10km e descobri um estilo parecido com o de Damiano Cunego, me destacando em clássicas com subidas não tão longas, porém repetitivas e seletivas.

Fonte: prologo

0 Response to "Teo Grandi fala sobre sua transição do MTB ao ciclismo"

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mídias Sociais Sportime

Siga-nos no Twitter Siga-nos no Facebook Siga-nos no Orkut Siga-nos no YouTube Siga nosso Feed Siga-nos com FeedBurner Siga-nos no Google Friend Connect Siga-nos no Flickr

Vídeos sugeridos

Loading...

Ciclismo de Estrada

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

Ciclismo de estrada ou ciclismo em estrada é um tipo de competição esportiva, derivada do ciclismo, disputada em estradas utilizando de bicicletas próprias para este fim que, no Brasil, são conhecidas por Speed...

ciclismo de estrada

Ciclismo de Pista

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

O Ciclismo de pista é um esporte de velocidade que se pratica em pistas especialmente construídas para esta modalidade conhecidas como velódromo...

ciclismo de pista

Mountain Bike

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

Mountain Bike, ou Bicicleta de Montanha, é um tipo de bicicleta usado no Mountain Biking, uma modalidade de ciclismo na qual o objetivo é transpor percursos com diversas irregularidades e obstáculos...

mtb

Downhill

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

Downhill (descida de montanha, traduzido para o portugues), é uma modalidade do Mountain Bike nascida na California, pelos ciclistas hippies da época, para sair da rotina do asfalto...

downhill

BMX

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

BMX (Bicycle MotoX ou ainda bicycle motocross) é uma forma de ciclismo ou de determinado tipo de bicicleta geralmente que fazem o uso de rodas de 20 cm de raio...

bmx