Aluguel de Temporada para Natal e Réveillon Aluguel de Temporada Caldas Novas

Pesquise Preços

Pedal na chuva

Postado por Sport Time às 1/11/2012 06:17:00 PM
Aluguel de Temporada Caldas Novas
Pedale com segurança e saiba quais são os cuidados com a bike pós chuva

Pedalar em dias chuvosos exige cuidados especiais. Embora chuva e bicicleta não combinem, às vezes é inevitável não se molhar durante uma pedalada.

No Brasil, o período mais crítico é o verão. De março a novembro em muitas regiões do país chega a chover quase todo dia. Nesses momentos é importante saber o que fazer e quais componentes da bike devem ter uma atenção maior após a chuva.


DICAS DE SEGURANÇA

A primeira regra de segurança a ser observada é: não se pedala em dias de chuvarada. Dias chuvosos são propícios para acidentes, pois as vias ficam escorregadias, os freios atuam com menos eficiência, há menos visibilidade e os vidros dos veículos ficam embaçados. Tudo isso aumenta as chances do ciclista se envolver em algum acidente.

A regra de ficar em casa é seguida à risca mesmo pelos profissionais mais experientes, que esperam o tempo melhorar ou fazem outro tipo de treino, como musculação na academia, ciclismo indoor ou alongamentos em casa mesmo.


“Se já estiver chovendo, na maioria das vezes, não saímos para treinar ou esperamos a chuva parar ou diminuir. Se estiver muito frio, não saímos nem com chuva fraca, pois é alto o risco de ficarmos doentes. Mas nunca deixamos de treinar, pois no mínimo fazemos uma hora no rolo dentro de casa”, explica Otávio Bulgarelli (foto acima), ciclista brasileiro que integra a equipe italiana Farnese Vini-Neri Sottolo.


“Eu não saio para treinar sob chuva forte. Mas, se a chuva me pegar no meio do treino, eu sigo com cautela”, ensina também o ciclista campineiro Renato Ruiz (foto à direita), da CESC-São Caetano.

Para aqueles que costumam trabalhar de bicicleta, o melhor é ir de carro, de carona com algum amigo ou usar o transporte público.

Em muitas regiões do Brasil, a chuva quase que tem hora marcada para chegar. No verão, em São Paulo, Rio, Belo Horizonte e outras cidades do Sudeste, as chuvas acontecem quase sempre no final da tarde. Procure adequar seus horários de pedalada para o período da manhã e assim escapar das águas.

Mas se ficar em casa não é uma opção, o melhor é se prevenir e tomar alguns cuidados fundamentais. Bulgarelli ensina algumas manhas: “Existem pneus para chuva que são muito bons. Recomendo o uso de uma capa, uma botinha para cobrir a sapatilha e não deixar esfriar muito os pés e um boné embaixo do capacete ajuda a evitar os pingos nos olhos. Na chuva, os freios demoram mais para responder. Uma dica esperta é evitar as faixas pintadas no asfalto, pois são extremamente escorregadias.”

Se estiver pedalando na terra, evite passar dentro de poças d’água para poupar a bike. Se for o caso, carregue a bike nos trechos mais alagados. Na cidade, cuidado com as poças d’água, que podem esconder buracos profundos e ocasionar quedas.

ÍNDICE PLUVIOMÉTRICO


A média de precipitação no Brasil fica entre 1.500mm a 2.000 mm de chuva por ano, mas há cidades na região do Cariri, no interior do Nordeste, onde esse índice fica entre 400mm e 700mm/ano. A quantidade de chuva é medida pelo índice pluviométrico, que se refere à quantidade de chuva por metro quadrado em determinado local e em determinado período.

Segundo a EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) a cidade recordista de chuvas no Brasil é Calçoene, no Amapá, com uma precipitação média anual de 4.165mm. Mas, esse ano, a cidade de São Paulo superou todos os índices amazônicos e no mês de janeiro a região da Consolação, na capital paulista, registrou 696,2mm de chuva.

CUIDADOS COM A BIKE

Ao chegar em casa, passe uma água na bike e tire o grosso da sujeira. Dê atenção especial à superfície dos aros, aos discos de freio e aos componentes da relação. Após pedalar na chuva, é fundamental que a bike seja levada para a revisão. A limpeza e lubrificação em alguns componentes vão poupar dinheiro no futuro.

As partes da bike mais atingidas pela chuva são as que têm movimento e/ou que giram. Veja abaixo como a chuva afeta alguns componentes:

Quadro
Mesmo durante lavagens um pouco de água escorre para dentro do quadro via canote de selim, ou pelos pequenos furos de respiro do quadro. A água vai se acumular na parte mais baixa da bike – ao redor da caixa do movimento central – e causar oxidação.

Bikes com quadros de cromo e aço se oxidam com relativa facilidade. Quadros de alumínio, embora menos sujeitos à oxidação, também sofrem com esse problema. No futuro o quadro pode apresentar uma ruptura nessa região devido à ferrugem.

Vale a pena, ao chegar em casa, retirar o canote, virar a bike cabeça para baixo e deixar a água escorrer. Um jato de spray tipo WD-40 pode retardar o processo de oxidação, especialmente nos quadros de cromo. Nas bikes de cromo e alumínio, a aplicação de uma fina película de graxa no canote de selim vai proteger este componente da oxidação e facilitar a retirada no futuro.

Corrente
Basta um pouco de exposição à chuva para que toda a lubrificação da corrente vá literalmente por água abaixo. Mesmo as bicicletas de ciclismo sofrerão um desgaste maior na corrente sob chuva, pois toda a sujeira do asfalto será lançada para cima e misturada à corrente. No mountain bike esta situação é mais crítica.


É recomendada a aplicação de uma boa dose de lubrificante específico para condições extremas. Leve o frasco no bolso traseiro e reaplique após passar nas poças d’água mais profundas.

Caixa de direção
É um dos componentes mais afetados pela chuva, já que recebe diretamente a água lançada pela roda dianteira. Os anéis de vedação permitem a entrada de água nas pistas das esferas, que remove a graxa, permitindo a oxidação. Isso acontece mesmo com as caixas de direção de ótima qualidade. Como prevenção, dá para instalar um pára-lama, mesmo que improvisado.

Cassete
A água passa pelas vedações e escorre para dentro do núcleo. A água afeta também o interior do eixo traseiro e o cubo da roda. O lado direito, em que está o cassete, é o mais vulnerável.


Cubo dianteiro
Geralmente deixa entrar menos água que o cubo traseiro, mesmo assim, dependendo da intensidade da chuva, um pouco de água vai conseguir entrar. Cubos com rolamento são menos suscetíveis a este problema.

Movimento central
A água pode penetrar pelos pequenos furos de respiro do quadro e também pelo canote de selim. A água também pode entrar pela vedação do eixo. Muitas vezes, a peça chega a ficar “soldada” na rosca por conta da oxidação.

Cabos
Tanto os cabos de acionamento dos freios quanto os do câmbio deixam entrar água com certa facilmente, mesmo nos cabos que têm boa vedação nos terminais. A oxidação leva ao endurecimento dos cabos e à imprecisão do acionamento.


Freios
Verifique sempre o estado das sapatas de freio e do aro, pois a chuva sempre colabora para o desgaste dessas partes. Nas mountain bikes, que enfrentam condições mais severas, as sapatas e pastilhas de freios sofrem muito mais abrasão, tanto nas paredes do aro (no caso das bikes com v-brakes) como nos rotores do freio a disco. No mercado há pastilhas e sapatas de freio especiais para dias de chuva.

Suspensão
Este componente das mountain bikes tem boa proteção contra a entrada de água e os anéis e vedações protegem bem contra a chuva.

Fonte: Bikemagazine

0 Response to "Pedal na chuva"

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mídias Sociais Sportime

Siga-nos no Twitter Siga-nos no Facebook Siga-nos no Orkut Siga-nos no YouTube Siga nosso Feed Siga-nos com FeedBurner Siga-nos no Google Friend Connect Siga-nos no Flickr

Vídeos sugeridos

Loading...

Ciclismo de Estrada

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

Ciclismo de estrada ou ciclismo em estrada é um tipo de competição esportiva, derivada do ciclismo, disputada em estradas utilizando de bicicletas próprias para este fim que, no Brasil, são conhecidas por Speed...

ciclismo de estrada

Ciclismo de Pista

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

O Ciclismo de pista é um esporte de velocidade que se pratica em pistas especialmente construídas para esta modalidade conhecidas como velódromo...

ciclismo de pista

Mountain Bike

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

Mountain Bike, ou Bicicleta de Montanha, é um tipo de bicicleta usado no Mountain Biking, uma modalidade de ciclismo na qual o objetivo é transpor percursos com diversas irregularidades e obstáculos...

mtb

Downhill

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

Downhill (descida de montanha, traduzido para o portugues), é uma modalidade do Mountain Bike nascida na California, pelos ciclistas hippies da época, para sair da rotina do asfalto...

downhill

BMX

Postado por Simone Alves em 01/02/2009

BMX (Bicycle MotoX ou ainda bicycle motocross) é uma forma de ciclismo ou de determinado tipo de bicicleta geralmente que fazem o uso de rodas de 20 cm de raio...

bmx